Faça um planejamento de social media em 10 passos

Trouxe em 10 passos todo o planejamento para início ou sustentação de uma estratégia de social media para uma marca.

Toda marca que deseja entrar nas redes sociais ou mudar a estratégia  de atuação nas redes sociais precisa – obviamente – de planejamento. Daí, eu busquei reunir TUDO o que uso para ter um papel bem desenhado de uma marca atuante nas redes sociais. Vamos lá:

1) Desk research

Definir uma estratégia de redes sociais começa antes das redes sociais. Vamos coletar informações que nos tragam quem é o público que deveremos atingir, seus hábitos cotidianos e sua relação com o nosso produto e serviço. Após isso definimos o conceito: que papel as redes sociais da minha marca cumprirão na minha estratégia de marca?

Exemplo de conceito:

“Acompanhar as redes sociais da minha marca fará o público conhecer o sortimento de produtos que o site da empresa tem, além de poderem consumir conteúdos relevantes para o seu cotidiano e fazê-los sentir parte do negócio.”

2) Diagnóstico

Aqui é aquela análise SWOT marota. Se você que está lendo é de marketing, dispensa explicações. Se você não é, aqui tem um link da Endeavor bem explicativo de como fazer.

3) Estratégia de perfis (a serem criados, sustentados ou excluídos)

Quais redes sociais você pretende atuar (Twitter, Facebook e LinkedIn?)?

Vamos definir quais serão a partir da etapa 1 que deve mostrar onde seu público já está e traçar qual deverá ser o papel de cada uma delas. Uma pode trazer notícias, outras ofertar produtos, etc.

4) Tarefa, estímulo e resposta ao estímulo

Partindo do princípio que redes sociais é uma comunicação de mão dupla, quais tarefas vamos usar para desafiar o nosso público? E o quais estímulos ele vai ter pra fazer isso? E o que esperamos que ele faça? Por exemplo:

Tarefa: posts no Facebook com frases de motivação para emagrecer.

Estímulo: imagem convidativa que o inspire a contagiar outras pessoas.

Resposta ao estímulo: que ele compartilhe e ainda marque outras pessoas para que se sintam motivadas a todos irem juntos para a academia.

Trace essas tarefas, estímulos e respostas aos estímulos para cada rede social.

5) Findings

Eu chamo de findings aquelas oportunidades que você descobre desenrolando as 4 etapas anteriores, de repente você descobre durante a etapa 1 que pode firmar parceria com outra marca presente no Facebook que juntas alavancarão os serviços mutuamente. Reserve um tempinho pra pensar fora da caixa e descobrir essas oportunidades.

6) KPI’s

É hora de definir como você vai medir cada movimento dentro das redes sociais: taxas de engajamento, aumento da base, cliques nas publicações, plays em vídeos, etc. Também trace indicadores para as ações que você decidir importantes, algumas vão funcionar mais que as outras e registrar isso é aprender pra implementar.

7) Monitoramento

Contrate uma boa ferramenta de monitoramento nas redes sociais. Há inúmeras no mercado e encontrar a ideal é vital. Peça uma demo de uma semana e faça os testes. Dica: monitore não só seus perfis, mas as redes sociais de um modo geral, você encontrará ótimas oportunidades.

8) Defina a estratégia de mídia paga

Redes sociais como o Facebook, Twitter e LinkedIn permitem usar a mídia paga para atingir públicos segmentados. Nessa etapa você define verba, fluxo de investimento, quantidade de impactos/impressões/cliques/conversões que você deseja ter como meta, etc. Exemplo:

– Website Custom Audience (WCA): patrocinar um post segmentado para pessoas que entraram no site logados, visitaram determinado produto e entregar um post falando sobre ele (review do produto) entre outros conteúdos;

– Dark posts segmentados para diversos comportamentos do usuário, como por exemplo: interessados em x ou apaixonados por y;

– Vídeos nativos patrocinados na fanpage para promover ainda mais a “fama” do canal de conteúdo do Youtube, etc.;

– Retargeting baseado na busca por produtos no site;

– Cards no Twitter baseados em palavras-chave como XPTO e etc., em que o usuário será estimulado a fazer o download do app do site, conteúdos, etc.

– Trueview de até 30” no Youtube com propagandas que chamem para o site;;

– Vídeos patrocinados no Youtube para buscas por palavra-chave específicas que identificarmos como trend ou através da busca interna do site que podem nos dar um norte de quais utilizar.

9) Plano de relacionamento: Do’s e Dont’s

Demonstre como é correto proceder em caso de clientes que reclamarem do seu produto/serviço, ou que elogiarem/ recomendarem, qual o tom de linguagem utilizar, tom de voz, identidade visual e calendário de oportunidades. Exemplo:

– Deve sempre se comprometer com a veracidade e confiabilidade das informações que disponibilizar em qualquer um dos canais, inclusive os sociais. Para validar suas informações, demonstrar aos usuários de onde a informação foi coletada, quando necessário;

– Nunca deixar um usuário sem resposta;

– Nunca destratar, ofender ou subestimar um usuário;

– Linguagem informal, coloquial de forma que transmita o diálogo adequado ao usuário, bem como o uso de gírias pertinentes à faixa de mercado a ser atingida. Utilizar de linguagem formal quando o interlocutor achar necessário;

– Não utilizar palavrões ou linguagem rude.

10) Estratégia com influenciadores

Hoje, é comum termos pessoas comuns terem mais domínio sobre determinado assunto que as próprias marcas de moda, por exemplo. Pessoas que com suas opiniões podem formar outras muitas que tem interesse no assunto mas não tem tanta informação. Busque contratar/aliar-se com esses influenciadores e, pra isso, você precisa identificá-los baseados em algum critério, abaixo está o meu critério:

-Klout Score;

– Veículo, mídia ou blog em que atua;

– influência em grupos de nicho;

– Entusiasta ou lover da minha marca ou do meu produto;

– Àqueles que interagem com frequência com os nossos canais;

– Com grande volume de fãs, seguidores ou amigos;

– Anunciantes relevantes para a minha marca;

– O que mais julgar relevante.

Espero que você tenha gostado e fique a vontade para sugerir mais tópicos que complementem esse artigo. Me envie que eu edito! 🙂

Se você curtiu acho que você poderá gostar desses aqui também:

Manifesto Netflix: o documento que pode mudar o formato das empresas

O poder transformador de uma ideia

Geração Flux: a geração preparada para o caos e a instabilidade

Você vai gostar desses posts